12 setembro 2007

Serra da Estrela Vista Por Profissionais


ACONSELHO VIVAMENTE A LEITURA NA INTEGRA DESTE TEXTO

Hoje vamos constatar o que uma guia sobre Portugal, editado pela reconhecida Lonely Planet, tem para nos “dizer” sobre a nossa Serra da Estrela.


A versão a que tive acesso foi a espanhola, mas estou curioso por verificar se as edições inglesa e francesa têm a mesma informação.

Assim sendo, passo a apresentar mais uma pérola que descobri sobre a nossa querida Serra.

A capa, cá está ela. Sendo uma guia de Portugal nada melhor que um belo galo de Barcelos para ilustrar a mesma. Parece-me uma aposta correcta, apesar de achar que haveria mais possibilidades.
Depois de consultar o índice da guia, vi que da página 335 à 346 estava reservado ao Parque Natural da Serra da Estrela. “Ena!” – exclamei eu, “deixa cá ver o que dizem aqui da Serra.”

Começo a ler… mapa da Serra da Estrela na primeira página e uma breve introdução do que é a Serra da Estrela. Até agora tudo muito bem, mas assim que mudo de página constato com o seguinte parágrafo:

Para quem não entende espanhol passo a traduzir:

“Durante o Inverno costuma nevar. Há inclusivamente uma modesta pista de esqui na Torre e uma pista artificial de Verão em Manteigas. E cada fim-de-semana milhares de famílias se dirigem a este lugar originando “engarrafamentos” no trânsito.”

Como se pode ver, para os autores desta guia, falar da Torre é falar num local onde existem uma modesta pista de esqui e engarrafamentos. Nada que já não se saiba…mas continuemos…


Depois de abordar as localidades de Seia, Gouveia, Sabugueiro e Manteigas, chegamos novamente à Torre. Veja-se então o que é referido agora neste apartado sobre este local:

Ponto mais alto de Portugal, tal e tal, 1993m… etc… e chega-se então à parte que interessa:

“O frio invernal está tão garantido que inclusivamente há uma pequena estância de esqui, com 3 decrépitos meios mecânicos e várias pistas para principiantes.
Mas para além da neve, o frio pináculo de Portugal resulta algo decepcionante, com os seus antiquados radares em forma de bola de golfe, um centro comercial que cheira a queijo e enchidos e, durante o Inverno, um animado “engarrafamento” de carros e autocarros.
No centro comercial há um posto de turismo, mas que fechou para obras em 2004.”

Palavras para quê… creio que está tudo dito. O que os autores desta guia têm para dizer da Torre é que ali existe uma pequena estância de esqui, com pistas para principiantes e meios mecânicos velhos, gastos e ultrapassados. Mas para além disso, gosto do que viram quando visitaram a Serra. O belo do centro comercial com cheiro a queijo e enchidos, os radares degradados para além dos habituais engarrafamentos… e o posto de turismo fechado para obras que, pelo que presumo, será este .

Continuemos...

Penhas da Saúde. Deste local apenas dizem que NÃO é uma aldeia, mas que se trata apenas de um conjunto de chalets espalhado pelo vento a uma altura de 1500m…

Afinal, para estas pessoas, as penhas da saúde são aquilo que são, e não o que andam a tentar vender… a bela aldeia de montanha…

Para finalizar deixo aqui ainda as páginas que falam da Covilhã.

Conclusões:

Pois é meus caros senhores responsáveis pelo que se passa na Serra da Estrela… Afinal há pessoas, que certamente já visitaram muitos locais por esse mundo fora, que não se impressionam muito positivamente com o que se pode encontrar na nossa Serra.
Vir publicado numa guia internacional, aquilo que acabamos de ver e ler, demonstra bem o ridículo em que se encontra a Serra da Estrela.
Referir que na Serra da Estrela, existe um local, que por acaso é o ponto mais alto de Portugal Continental, que tem umas pistas e meios mecânicos manhosos, que tem uns radares antiquados em forma de bola de golfe, que tem um centro comercial onde só cheira a queijo e enchidos e onde acontecem animados “engarrafamentos” no Inverno, deixa-nos certamente no pelotão da frente dos locais a não visitar.

E a que se deve isto? A que se deve esta descrição que aparece nesta guia?

Basicamente, deve-se à falta de estratégia em que está mergulhada a Serra da Estrela!
A aposta continuada num turismo de neve, em que o chegar à Torre de popó é lema, e onde haja o belo do queijo e afins à venda num pseudo-centro-comercial para turista comprar, leva a que aos olhos de quem já viu algumas coisas lá fora, perceba a patetice de turismo que se pratica na Serra da Estrela.
Com tanta coisa boa que a Serra tem para mostrar, porque é que está a ser publicitada desta maneira neste (e possivelmente outros) guias? Creio que a resposta já foi dada.

Mas eu pergunto, em especial aos senhores responsáveis por tudo o que se passa na Serra da Estrela, desde RTSE, a PNSE, aos presidentes das várias autarquias, à empresa concessionária do Turismo na Serra da Estrela, e a todos nós, se é assim que queremos que a nossa Serra seja vista lá fora?

Eu respondo NÃO!

O que eu gostava era que em vez de se andar com os “bairrismos” tão patéticos, se criasse uma (apenas UMA) entidade que definisse um plano estratégico para toda a Serra da Estrela, uma entidade totalmente imparcial, uma entidade que deixasse de ver apenas a neve e começasse a olhar para a Serra sem ser apenas desde a estrada e entrasse vales dentro…

Mas claro, não me esqueço que estamos em Portugal e que estas coisas normalmente só acontecem lá fora…

Enquanto isso, venham de lá esses 100 milhões de euros do PITER, para se poderem aumentar as pistas em 4 vezes, se poderem construir telecabines, se poderem fazer mini-cidades de montanha, se poderem fazer spas, casinos, pavilhões de gelo, etc, etc, etc… e que quando tudo isto estiver terminado, venham cá novamente os autores desta guia para verem o super-hiper-mega-ri-fixe turismo de montanha que temos na nossa Serra da Estrela.

Texto compilado na integra no blog Estrela no Seu Melhor

PS. Por manifesta falta de tempo as actualizações diárias estão comprometidas. PROCURAM-SE COLABORADORES.

Saudações Paulenses

1 Rebolos:

Vizinha disse...

Realmente é díficil ir á serra num fim de semana e n ser apanhado numa fila infernal que parece n acabar!! Qt ao centro comercial é inevitável mencionar q é um espaço mto pequeno e onde efectivamente cheira a queijo e a enchidos. Contudo, se fosse eu a escrever o texto talvez n enfatisasse daquela forma o tamanho das pistas e outros aspectos menos negativos.
...
Pensando bem a descrição feita encaixa mto bem na realidade dos dias de Inverno da nossa Serra!

Questão: O que fazer p alterar eata realidade, p melhor, sem assassinar o nosso "pulmão"?

12/9/07 21:21