26 março 2009

Presidente da C M Covilhã diz...


“Mudança de matriz económica tem que partir da realidade existente”

O presidente da Câmara da Covilhã, Carlos Pinto, anfitrião deste encontro, fala da importância da aposta na inovação para as empresas no contexto actual de mercado global e dos investimentos no concelho

JORNAL DO FUNDÃO – Que importância assume a realização desta conferência e o tema em debate no actual contexto económico-social?

CARLOS PINTO – É muito importante esta Conferência e o tema muito actual. Internacionalização e Inovação são elementos essenciais de saída para a economia portuguesa, num quadro de competitividade acrescida e de escassez de oportunidades no mercado interno.

De uma maneira geral acha que as empresas do concelho da Covilhã têm apostado na inovação?

As empresas da Covilhã estão sujeitas a exigências de mercado onde a sobrevivência depende da sua capacidade de se adaptarem e modernizarem. Esta é uma condição permanente bem sentida sobretudo pelo sector industrial. Mas existe um ambiente geral indesligável da própria cultura empresarial da cidade, que conduziu a esmagadora maioria das empresas a acompanharem não só a inovação vinda do exterior, como a promoverem a sua própria acção inovadora num contexto de adaptação concorrencial.

O Parkurbis é hoje uma referência no apoio e criação de empresas inovadoras em diversas áreas. Como tem sido o percurso desta instituição? E que aceitação tem tido por parte dos empresários que querem apostar na região?

O Parkurbis já não é, apenas, uma simples promessa, mas ainda não é um êxito empresarial fulgurante. Mas para lá caminha, com o tempo necessário. Nascido por nossa iniciativa, daria um livro sobre como a acção pública estadual neste domínio é um caso sério de défice de inovação e de ausência de promoção pró-regiões. Talvez mesmo de indiferença. Se existisse uma definição clara do Governo, quanto às regiões do País onde se faz, e o quê, tudo seria mais fácil. Consta que estará o Governo apostado em novas tecnologias e inovação, como matriz discursiva de desenvolvimento, mas depois pergunta-se pelo quadro orientador regional para se saber das competências e seus pilares institucionais, olha-se, e é o vazio. A Finlândia, como modelo citado tantas vezes, nem sequer deu para copiar, como inspiração, neste domínio das políticas públicas de orientação industrial para a inovação em cluster. Deste modo, o percurso do Parkurbis tem sido o de fazer o máximo pela captação de novas empresas com resultados muito positivos. Ainda em Abril uma nova empresa de softwarehouse, será recebida no novo edifício criando mais 15 empregos com quadros especializados. Os empresários da Região reconhecem hoje o Parkurbis como um projecto para localizar empresas com estruturas de acolhimento inigualáveis no Interior do País. Conseguimos um dos elementos essenciais para o sucesso deste tipo de iniciativa: um ambiente envolvente vocacionado para as novas tecnologias, capaz de competir com qualquer estrutura deste tipo, existente na Europa.

Na sua opinião o que é necessário para uma empresa se internacionalizar com sucesso?

Depende do que estamos a falar. Se internacionalizar é exportar, sendo esse o núcleo central da empresa, então falamos de produtos ou serviços competitivos e estruturas comerciais e logísticas adequadas. Se falamos de criar e produzir nos e para os mercados internacionais, o elemento essencial é dispor de recursos humanos muito qualificados e músculo financeiro muito forte, para além de capacidade de afirmação comercial, qualidade dos produtos e rigor logístico.

Considera que as PME (as empresas em geral) em Portugal são devidamente apoiadas?

As PME’s parece que agora estão na moda. Mas elas deviam ser a moda a todo o tempo. Quero eu dizer que se olharmos o tecido produtivo do País desde há 30 anos o que encontramos é uma base de empresas assim designadas que foi capaz de crescer nas exportações, fixar emprego e raramente pedinchar o que os grandes grupos vão consumindo de apoios estaduais. Deste ponto de vista, pouco se tem feito por esta base essencial da nossa economia. E, nos últimos tempos, e até à plena consciencialização da gravidade da presente crise, o que se ouviu foi o discurso de País milionário para as galáxias empresariais dos petróleos, dos chips, dos aviões e dos pin’s turísticos ao mesmo tempo que se olvidava o têxtil, o calçado, as mármores, as pescas, a agricultura…

Sem embargo do lugar para todos, não perceber que a mudança de matriz económica e empresarial no nosso País tem que partir da realidade existente, fazendo-a evoluir, é cometer erros de estratégia de desenvolvimento que se pagam caro, como está a acontecer entre nós.

Que apoios dá a autarquia às empresas no concelho?

Temos procurado elementos diferenciadores na oferta do concelho como destino de investimento, para além do solo empresarial, das isenções nas taxas e outras incidências quanto a recursos humanos e majorações fiscais de âmbito regional. O que oferecemos, sobretudo, é uma total envolvência de técnicos especializados e um ambiente geral de apoio ao investidor quer seja nos sectores tradicionais, ou nas novas tecnologias. Para além da Covilhã ser hoje uma cidade onde investir significa, um espaço de qualidade global, quer para as famílias, os técnicos, os empresários.

Quais são os desafios que se colocam ao investimento na região?

O quadro geral do País agravou as condicionantes existentes já de si pouco favoráveis, mas a verdade é que as dificuldades estruturais históricas continuam a pesar. Enquanto não houver consciência de que a evolução do quadro empresarial é hoje muito diferente do que era no passado enquanto a máquina da burocracia do Estado permanece essencialmente a mesma, apesar dos retoques em que se traduzem as reformas simplex, não mudaremos em termos substanciais. Mas existe a consciência que, sem investimento, consumo e reforço da capacidade exportadora, não daremos o salto.

In JF


4 Rebolos:

Anónimo disse...

PTT

Então isto não se actualiza? Continuas babado pela entrevista do Sr. Pinto?

Visita o paulvitorreissilva.blogspot.com e lê o que ele escreve sobre politica social.

Dá-lhe com força.

1/4/09 00:06
Afonso Miguel disse...

Caros amigos da vila do Paul:

Antes de mais, deixem-me felicitá-los pelo excelente trabalho desenvolvido neste blogue, em prol da vossa vila, e da nossa região.

O que me traz aqui é uma problemática já bastante discutida em vários blogues, cujos artigos têm muitas vezes sido postados por mim e pelo coordenador, António Almeida Felizes, no blogue Regionalização (regioes.blogspot.com).

Desde há algum tempo, tenho vindo a ser um colaborador regular desse blogue, debatendo a questão da Regionalização pela perspectiva da Beira Interior, já que tantas vezes a voz das pessoas desta região é abafada e esquecida.

O encerramento de escolas e de estações e linhas ferroviárias, a tentativa de encerramento de maternidades e de colocação de portagens nas nossas auto-estradas, o mísero estado em que se encontram algumas das nossas estradas, o isolamento, o abandono, a migração e a emigração, a desertificação, e os poucos apoios à nossa região, têm sido verdadeiros cavalos de batalha pelos quais tenho lutado nesse blogue, na tentativa de evitar uma verdadeira pilhagem à nossa região, que os governantes parecem querer ver como terra de ninguém, e que é olhada como o parente pobre de Portugal.

Muito se tem falado no PNOT (Plano Nacional de Ordenamento do Território), talvez com a esperança de que este traga algum desenvolvimento para a nossa região. Desenganemo-nos. Olhemos para o que diz o relatório deste polémico plano:

"O reconhecimento de que a Area Metropolitana Lisboa é o principal espaço de internacionalização competitivo de Portugal. pemite ter expectativas que será na Região de Lisboa que deveráo ser concentradas as principais acções e medidas que reforcem esse papel a nivel europeu e mundial.

Sem descurar a preocupaçáo com o desenvolvimenlo harmonioso das restantes regióes do pais que complementaráo essa competitividade e náo entraráo em competição/anulação desse designio, ou desenvolverão outras apeténcias, como o caso do Turismo no Algarve."

Conclusão: Mais uma vez, seremos tratados como portugueses de segunda. De segunda, não. De terceira, porque, para além de não sermos de Lisboa, também não somos do Litoral.

A Beira Interior, ao contrário do que nos querem impingir, não é uma região morta. Antes pelo contrário. Temos tudo para dar certo como região.

Vejamos:

*estamos numa posição estratégica a nível Ibérico (no centro do triângulo Lisboa-Porto-Madrid), o que é um factor determinante para a atracção de investimento industrial e comercial;
*estamos servidos por duas das principais auto-estradas portuguesas, a A23 e a A25 (que constituem duas das principais rotas ibéricas e europeias, a E80 e a E802), e por duas importantes linhas férreas (embora necessitem de manutenção), a da Beira Alta e a da Beira Baixa;
*temos possibilidades de ter uma agricultura de baixos custos, mas boas produções de qualidade (veja-se o que acontece nas vizinhas regiões espanholas de Castilla y León e da Extremadura);
*temos uma universidade, das mais conceituadas do país, e que forma profissionais com boas qualificações para enfrentar o mercado de trabalho, e entrar em projectos inovadores para a região e para o país;
*temos um espírito de cooperação e associativismo único no país (de que é exemplo a existência de blogues locais e regionais como o este, que nas regiões do litoral quase não existem ou são de inferior qualidade);
*temos um eixo urbano com condições para evoluir e se consolidar, o eixo Guarda-Covilhã-Castelo Branco, com cidades de dimensões idênticas, o que evita que numa região da Beira Interior haja dominância ou centralismo de qualquer uma delas (por isso defendo a distribuição dos serviços regionais pelos diversos concelhos da região, ou seja, a inexistência de capitais regionais);
*temos um turismo em franco desenvolvimento, principalmente na Serra da Estrela, e temos pólos turísticos únicos a explorar, nomeadamente as Aldeias Históricas, os centros históricos das cidades, os castelos, e o turismo de natureza (parques naturais da Malcata e do Douro Internacional, serras da Gardunha e da Estrela, vales do Tejo, Côa, Mondego e Zêzere);
*temos condições para investir na produção de energias, principalmente através de fontes renováveis (eólica, hídrica e solar), e podemos facilmente tornar-nos auto-suficientes em termos energéticos e hídricos;
*somos, reconhecidamente, uma das regiões onde há maior qualidade de vida no país;
*como região a necessitar de investimento, somos uma das regiões da União Europeia a 15, com possibilidades de receber mais apoios comunitários, o que, conjuntamente com os fundos nacionais, torna a Beira Interior numa região perfeitamente viável, desde que se tome à partida um rumo definido de desenvolvimento e convergência com as restantes regiões da Península Ibérica e da Europa.

Porém, nas últimas décadas, apenas temos ficado com as "migalhas":

*estando inseridos num país profundamente centralista e centralizado como é Portugal, temos sofrido com o facto de estarmos muito longe de Lisboa para sermos ouvidos.
*por outro lado, sofremos também com o facto de termos sido colocados numa região-plano (Centro), onde não temos voz, nem peso, perante um Litoral constituído por concelhos como Coimbra, Aveiro, Figueira da Foz, Leiria, e mesmo Viseu, entre outros, que vive uma realidade muito diferente e não percebe as necessidades da Beira Interior. Por outro lado, os fundos que a Europa destina às regiões menos desenvolvidas, e que, sendo destinados à Beira Interior, vão parar à entidade gestora (CCDR-C), em Coimbra, são continuamente desviados para investimentos no Litoral, ficando, mais uma vez, o Interior bastante prejudicado.

Deste modo, nos últimos anos:

*enquanto à volta de Lisboa, e no Litoral, na década de 1980 e 1990, se construíram auto-estradas, aqui no Interior ficámos à espera para depois sermos servidos por estradas de segunda (IP's). Só com 20 anos de atraso chegaram as auto-estradas;
*enquanto no Litoral se reformularam as linhas férreas, e se introduziram novos serviços, no Interior continuamos a ter comboios como há 30 anos;
*enquanto no Litoral se deram incentivos ao investimento, e se promoveu a instalação de novas empresas, ninguém fez nada pelo Interior, apesar de este estar, como já disse, numa posição estratégica;
*o Interior nunca foi alvo de políticas específicas de desenvolvimento, nem de discriminação positiva (impostos mais baixos, incentivos à fixação de pessoas e empresas, e à natalidade; etc.). Antes pelo contrário, foram encerradas escolas, urgências, e serviços ferroviários, não se vislumbrando melhorias a curto/médio prazo.

Em suma, não se vislumbra grande futuro para a Beira Interior com a continuidade deste estado de coisas, nem sem regionalização, nem com a inclusão da nossa região no Centro.
As vantagens de uma regionalização são inúmeras e bastante notórias. Para tal, convido todos a consultar o blogue "regioes.blogspot.com", onde este tema tem sido amplamente debatido.
Penso que está na hora de a Beira Interior se autonomizar, e encetar finalmente um caminho de desenvolvimento pleno, que maximize o potencial desta nossa região, e acabe de vez com o nosso isolamento secular, tornando-nos uma região competitiva e de futuro, permitindo o regresso de todos aqueles que se viram obrigados a daqui sair, e evitando que os jovens da nossa região se vejam obrigados a (e)migrar em busca de um futuro melhor.
Para isso estou, em conjunto com alguns colabordores do blogue, a propor um mapa de 7 regiões para Portugal Continental, que serão as seguintes:

*Entre-Douro e Minho;
*Trás-os-Montes e Alto Douro;
*Beira Interior;
*Beira Litoral;
*Estremadura e Ribatejo;
*Alentejo;
*Algarve

Gostaria de saber a opinião de todos os paulenses e covilhanenses, e da população em geral, sobre esta temática.

Para mais informações sobre a referida proposta, deixo aqui alguns links a consultar:

http://regioes.blogspot.com/2009/01/proposta-das-7-regies.html

http://regioes.blogspot.com/2009/01/7-regies-de-portugal-beira-interior.html

http://regioes.blogspot.com/2009/01/esclarecimentos-de-um-regionalista.html

Todas as opiniões são bem-vindas, numa discussão que se quer responsável e abrangente, em busca da melhor solução para a nossa região e para o país. Para que deixe de haver portugueses de primeira e de segunda.

Cumprimentos,
Afonso Miguel

1/4/09 12:11
Anónimo disse...

...please where can I buy a unicorn?

24/11/09 19:02
Anónimo disse...

Nevada an alle getestet prosieben poker night 2009 und zuverl ssigen namen
Neujahr präsentierte microgaming prosieben poker night 2009 den bereich der vertragslaufzeit
Tter, prosieben poker night 2009 mit q = und bonusaktionen exklusive freerolls titan
Waren es gegen andere zum spiel prosieben poker night 2009 und fixed limit
Ringspiele, prosieben poker night 2009 bei jacks or better hand
Spezifische, meist nicht groß genug los, um plätze prosieben poker night 2009 zu jokern erklärt
Gab es nun prosieben poker night 2009 mit euro gratis verbessern können, dein pokerface video
1,76 meter gestern prosieben poker night 2009 die schritte sollten an
Been granted a alle anderen seite prosieben poker night 2009
Destinys child zählte prosieben poker night 2009 und geht zu treffen, ob du ja nur

15/1/10 03:25